Dos mujeres delante de las banderas de Finlandia y Uruguay

Um intercâmbio escolar inspirador

Na cidade uruguaia de Fray Bentos, há uma escola pública que orgulhosamente tem o nome de República da Finlândia. As crianças desta escola realizam um intercâmbio com alunos da escola finlandesa Mansikkamäki, que tem contribuído para o conhecimento mútuo e para melhorar o nível de inglês. Entrevistámos Gabriela Colet, professora da escola uruguaia, que está envolvida no projeto de intercâmbio desde 2017.

Como surgiu o projeto colaborativo Extending Our Gaze to the World?
Em 12 de maio de 2017, a nossa escola foi denominada República da Finlândia. O Projeto inicial surgiu da necessidade de investigar o distante e misterioso país com o qual a foi denominada a nossa escola, do qual falávamos desde que a fábrica da UPM se instalou na nossa cidade. À medida que fomos aprendendo sobre a Finlândia, a sua cultura, hábitos, costumes, clima, idioma, interiorizámos e entusiasmamo-nos com o sistema educativo finlandês e com a excelência que o caracteriza. Como era possível que a Finlândia estivesse na vanguarda em questões educativas? Como poderíamos garantir que os nossos filhos pudessem ter essas mesmas oportunidades? E foi assim que, a partir do livro “This is Finland”, de Aino Havukainen e Sami Toivonen, doado pela Embaixada da Finlândia no Uruguai, vimos a oportunidade de trazer às crianças a informação do livro, em inglês, que é a segunda língua implementada na nossa instituição. No inicio, as atividades focaram-se nos alunos do 5º e 6º ano, onde a partir de workshops o livro foi trabalhado, considerando o nível de conhecimento da Segunda Língua que possuíam. Os objetivos propostos foram alcançados: que as crianças pudessem ler e intervir utilizando o inglês. Neste cenário, pensou-se realizar um projeto embrionário com escolas da Finlândia, que vimos como uma porta aberta à comunicação e à compreensão. Este projeto chamava-se “Estender o nosso olhar sobre o mundo”. Foram consideradas algumas escolas na Finlândia, com características semelhantes ao contexto geográfico da cidade de Fray Bentos, mesmo com uma fábrica semelhante à UPM, e foi decidido escolher uma escola na cidade de Kouvola, e começamos a trocar e-mails entre professores.

Em que consiste o projeto?
No início, o projeto focou-se no intercâmbio entre os alunos da escola Mansikkamäki (Kouvola) e as crianças da nossa escola. O planeamento foi feito pelos professores, que proporcionaram diferentes encontros virtuais e trocas de informações por e-mail ou através de gravações de vídeo. Aí trocaram informações pessoais e culturais de ambos os países. Depois, com a chegada dos estagiários da Finlândia, o trabalho foi aperfeiçoado e foi encontrada a motivação para que os alunos praticassem a segunda língua permanentemente na escola. Os estagiários também atuaram como mediadores entre a escola Kouvola e os nossos alunos. O que se queria com este projeto era encontrar uma motivação para os alunos, gerar uma aprendizagem significativa e contextualizada que provocasse uma mudança conceptual nas crianças. Mesmo que os alunos não viajem, a língua abre portas a novas culturas.

Que resultados tem dado até agora?
De 2017 a 2019, tem sido possível perceber que as crianças melhoraram visivelmente o seu nível de inglês, principalmente a Ouvir e a Falar, que eram os pontos fracos até agora. As crianças praticavam a língua quase fluentemente e de forma autónoma. A necessidade de comunicar favoreceu a sua utilização. A partir de 2020, os efeitos da pandemia e a falta de estagiários na escola provocaram uma desmotivação por parte dos alunos e do coletivo, uma vez que as atividades se focaram no planeamento de um novo espaço que desafiava todos: o virtual. Em 2021, com um cenário híbrido e mudanças no coletivo, o projeto foi retomado com o impulso recebido pelo Secretário Honorário do Consulado da Finlândia no Uruguai e pela delegada do Instituto Ibero-Americano da Finlândia, Tarja Laaksonen, conhecedora e promotora do projeto desde o início, promovendo uma planificação do que iria atender à nova realidade do Uruguai e da Finlândia. Da nossa escola começamos a trabalhar numa troca com a comunidade de finlandeses sediada em Paso de Los Toros, conseguindo estabelecer uma ligação comunicacional em inglês com os alunos de ambas as partes.

Que diferenças culturais observou?
As diferenças encontradas são mais do que percetíveis em termos de recursos materiais e humanos disponíveis na Finlândia, à proposta pedagógica e ao envolvimento da família. Todos promovem uma educação de excelência. A nossa escola, no entanto, enquadra-se num contexto sociocultural e económico muito desfavorecido, com necessidades básicas insatisfeitas e onde a família não vê a educação como promotora de mudança e de progresso. Este projeto tem provocado em alguns alunos a preocupação de continuar a sua formação, uma vez que experimentaram a possibilidade de educação noutras partes do mundo.

Como é que os alunos da escola 2 vêem o nosso país?
Os nossos estudantes vêem a Finlândia como um país distante, frio, mas com múltiplas oportunidades de progresso promovidas pela educação de qualidade que é ensinada a todos os seus cidadãos.

Menu